Recados para Orkut
Jesus, Eu Confio em Vós!
Recebi interiormente a compreensão do que são as criaturas perante Deus. Imensa e incocebível é a Sua Majestade. E se condescende connosco com bondade é pelo abismo da Sua Misericórdia. Santa Faustina (Diário 1131)

Digite aqui o seu Email e receba as boas novas do nosso blog

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Portugal: Bispo emérito de Aveiro insurge-se contra «profecias da desgraça»


«Vêm-se cometendo erros com consequências graves e tomando decisões que a todos parecem menos certas», aponta D. António Marcelino

Manuel Costa/Agência ECCLESIA | D. António Marcelino
Lisboa, 11 jan 2013 (Ecclesia) – O bispo emérito de Aveiro insurge-se contra quem faz constantemente prognósticos negativos sobre Portugal e é incapaz de vislumbrar motivos de otimismo.
“Os profetas que querem determinar o futuro do país e que não desligam do passado, falam sempre e só de desgraças. Agora, até de desgraças agravadas”, escreve D. António Marcelino na mais recente edição do Semanário ECCLESIA.
O prelado vinca que “a ninguém se pedem palavras de uma euforia barata nos momentos difíceis” mas “não se pode aceitar que haja quem apague as luzes da esperança, canonize dificuldades e dê largas às trevas”.
“O realismo e a esperança podem casar-se em qualquer tempo, para que um futuro humano se possa projetar, tendo em conta a memória, por vezes dolorosa, do passado vivido e a consciência esclarecida do presente”, assinala.
D. António Marcelino faz um apelo ao consenso entre os partidos, mesmo sabendo que “nunca é fácil governar quando as forças de oposição, pensam, acima de tudo, em conquistar o poder, e a gente que governa vê nos opositores apenas inimigos”.
“Vêm-se cometendo erros com consequências graves e tomando decisões que a todos parecem menos certas. Talvez porque quem governa se esquece que isolar-se empobrece sempre mais”, aponta.
No entender do prelado “os que pensam direito e se empenham em soluções válidas, têm o dever de congregar esforços e de inserir, no projeto nacional, um clima de esperança, que não fecha olhos à realidade, mas também a não deixa abafar por profecias de desgraça”.
Para o bispo emérito a confiança em dias melhores é indissociável da referência a Deus, dado que “não se pode pensar em paz, em bem estar, em desenvolvimento social” se quem está comprometido com estes propósitos “estiver de asas cortadas e olhos vedados ao transcendente, de onde vem a luz e a força da esperança que não ilude”.
O texto critica as personalidades que “falam do povo e fazem dele número para as reivindicações sociais”.
“Muitos dos que têm garantido trabalho e salário interessa-lhes o povo para conquistar mais, em favor de interesses pessoais e de grupo, sem prestar atenção à vida dura, que foi sempre a vida do povo que merece tal nome”, salienta.
RJM

Sem comentários:

Enviar um comentário

ARQUIVO DE MENSAGENS PUBLICADAS