Recados para Orkut
Jesus, Eu Confio em Vós!
Deve rezar a alma recém convertida para que não venha a cair novamente. Santa Faustina (Diário 146)

Digite aqui o seu Email e receba as boas novas do nosso blog

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Vaticano: Papa sublinha responsabilidade dos fiéis na criação de uma Igreja «mais bela e autêntica»

Quantos cristãos «recordam a data do batismo» e «participam ativamente» na missão eclesial?, questionou hoje Francisco

CTV
Cidade do Vaticano, 11 set 2013 (Ecclesia) – O Papa abordou hoje a condição dos cristãos enquanto filhos da Mãe Igreja e a responsabilidade que todos têm em participar na sua missão no mundo, junto dos povos mais desfavorecidos e daqueles que não conhecem Cristo.
“A fé é um presente, um dom de Deus que é dado pela Igreja e através da Igreja, naquele momento em que ela faz nascer as pessoas como filhas de Deus, em que oferece a vida de Deus, a gera como Mãe”, salientou Francisco, durante a habitual audiência pública de quarta-feira, na Praça de São Pedro, no Vaticano.
A ligação entre um cristão e a Igreja, tal como acontece entre qualquer pessoa e a sua mãe, exemplificou o Papa, é uma ligação “interior, vital, não se pertence à Igreja da mesma forma que se pertence a uma sociedade, a um partido ou a qualquer outra organização”.
Tendo estas ideias em mente, “como é que os cristãos olham para a Igreja” e “participam ativamente nela?”. E “quantos cristãos recordam a data do seu batismo?”, questionou.
Para Francisco, os batizados que se afastaram da Igreja, que “dizem que acreditam em Deus mas não acreditam na Igreja, porque o padre disse isto ou aquilo, estão a cair numa contradição” e a reconhecer que “não acreditam em si próprios”.
“A Igreja não são só os padres, são todos os cristãos, desde um bebé recém batizado até aos bispos, ao Papa, e todos são iguais aos olhos de Deus”, apontou.
Por outro lado, tal como um filho que “ama a sua mãe” e “compreende os seus defeitos”, os cristãos são chamados a “ajudar a Igreja a ser mais bela, mais autêntica, mais à imagem de Deus”.
“Quando os cristãos dizem que amam uma Igreja aberta, capaz de sair, de ser ativa e de levar Cristo aos outros, independentemente dos riscos, pensam em si próprios e em cada um dos cristãos?”, interpelou Francisco, que deixou também uma mensagem para dentro das próprias estruturas eclesiais.
“Uma mãe não se limita a dar a vida mas empenha-se a ajudar no crescimento dos seus filhos, dá-lhes leite, alimento, ensina-lhes os caminhos da vida, acompanha-os sempre com atenção, com afeto, com amor mesmo quando já são adultos”, destacou.
Por outro lado, a Mãe Igreja “tem também que corrigir, perdoar, compreender, estar próxima na doença, no sofrimento, ajudar os seus filhos a sairem de si mesmos, a não ficarem comodamente à sombra das suas saias”.
Será que hoje as pessoas “sentem a Igreja como essa mãe que ajuda cada um a crescer como cristão?”, concluiu.

Sem comentários:

Enviar um comentário

ARQUIVO DE MENSAGENS PUBLICADAS