Recados para Orkut
Jesus, Eu Confio em Vós!
És a bem aventurada alegria, Ave, ó Maria, porque, por Vós, Deus desceu à Terra e ao meu coração. Santa Faustina (Diário 40)

Digite aqui o seu Email e receba as boas novas do nosso blog

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Portugal: Diretor da Pastoral dos Ciganos critica «demissão» das dioceses na missão de evangelizar


Frei Francisco Sales vai transmitir esta preocupação durante um encontro nacional que começa hoje em Viana do Castelo

D.R.
Lisboa, 23 nov 2012 (Ecclesia) – O diretor da Obra Nacional da Pastoral dos Ciganos (ONPC), frei Francisco Sales, diz que a Igreja Católica tem de “repensar” a sua missão junto daquela comunidade e tornar-se mais “evangelizadora” e menos “assistencialista”.
Em entrevista concedida hoje à Agência ECCLESIA, frei Francisco Sales Diniz sublinha que “ao nível das estruturas da Igreja existe uma grande demissão relativamente ao anúncio de Cristo, junto da realidade cigana” e que “a maioria das dioceses do país não tem esta matéria como prioridade nas suas agendas”.
“Em muitas regiões nem vale a pena falar na pastoral dos ciganos porque não entra, de forma nenhuma, é como remar contra a maré”, lamenta aquele responsável, recordando que “a Palavra de Deus é para todos, não só para alguns”.
Neste caso, salienta o religioso franciscano, está em causa uma comunidade “presente em Portugal há muitos séculos, que conta hoje com mais 50 mil pessoas e que já teve uma matriz fortemente católica”.
A falta de acompanhamento por parte da hierarquia católica levou a que “a partir dos anos 70 do século XX, grande parte dos ciganos aderissem à Igreja Evangélica de Filadélfia de Portugal, que se preocupou com eles e promoveu os próprios ciganos como pastores e responsáveis das comunidades”.
Frei Francisco Sales reconhece que “a realidade cigana é difícil, tem uma forma de ver o mundo completamente diferente”, mas salienta que a Igreja Católica recebeu como “mandato” e “responsabilidade” dirigir-se a todos os povos.
“Os primeiros cristãos foram ao encontro de culturas pagãs, que tinham os seus deuses, os seus templos, os Estados estavam ligados a estas religiões, mas não tiveram medo de evangelizar. Hoje, parece que quando surge um problema, uma comunidade mais à margem, uma realidade mais difícil, todos se afastam”, lamenta o diretor da ONPC.
Aquele organismo abre hoje, em Viana do Castelo, um encontro nacional de três dias para abordar esta problemática junto dos responsáveis diocesanos e “alertar os bispos para a necessidade de promover uma pastoral mais evangelizadora junto da comunidade cigana”.
A iniciativa surge numa altura em que a Igreja Católica está a promover o Ano da Fé (até novembro de 2013) e a ONPC quer aproveitar este impulso para “repensar o seu funcionamento, os seus objetivos, para ser mais eficaz numa pastoral que não seja meramente assistencialista”.
“Se a Igreja não se deixar transformar e imbuir pelo espírito que animou os apóstolos e as primeiras comunidades cristãs, voltando à inspiração inicial e abrindo-se à realidade do mundo a todos os níveis, o Ano da Fé será apenas mais uma celebração com muitas coisas bonitas mas onde tudo ficará na mesma”, aponta o frei Francisco Sales.
O 39º Encontro Nacional da Pastoral dos Ciganos tem como tema “Anúncio da Fé na Realidade Cigana” e conta com a participação de D. Anacleto Oliveira, bispo de Viana do Castelo, e de D. Manuel Linda, bispo auxiliar de Braga e vogal da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana.

Sem comentários:

Enviar um comentário

ARQUIVO DE MENSAGENS PUBLICADAS